quarta-feira, 20 de fevereiro de 2008

festa ht

Cada vez tenho menos saco para aturar festas hétero. Observação importante: festas de crianças não contam, tá? Porque eu adóoooro comer salgadinhos, brigadeiros, bolo de aniversário e estourar bexiga no ouvido dos pestinhas.

A minha cota é aproximadamente uma por ano e ela já se esgotou numa festa à fantasia. [Aqui estou me referindo à festas com música e bebida, ou seja, barzinho descolado, pizzaria e Jaber não contam.]
Eu adóoouro festa à fantasia e fazia um bom tempo que eu não ia em uma. Aceitei o convite porque era aniversário de pessoas queridas e reveria muita gente das antigas.

Me fantasiei de Lucy Liu (as Panteras) e fui quase pelado. Apesar do frio, fui macho e fiquei de shortinho o tempo todo. Luógico que me troquei lá, ou vocês acham que andei de metrô semi-nu? Sou uma beesha-de-família!

A parte boa foi rever os meus amigos e conversar sobre várias coisas, principalmente profissão, carreira e perspectivas. Mas como eu sou venenoso, vou destacar o lado ruim (insira aqui uma risada maléfica de vilã).

Primeiro: como pode ser a música tãaaao lixo?
Durante metade da festa, o som que rolava na pista era drum’n bass. Apesar de eu classificar esse som como “eletrônico da periferia” eu até curto e danço. Mas não tem um pingo de glamour e como a batida é a mesma, enjoa rápido. Ainda mais se ficou hooooras nesse esquema.

Depois rolou black (reclamo, mas tenho que começar a ir me acostumando, porque o novo disco da Madonna é hip hop, gente) e musiquinhas estilo trash 80’s. Eu amo a trash, mas héteros ficam completamente idiotas quando toca esse tipo de música. Fato.

Segundo: o álcool mexe com as pessoas
As raxas falam alto, quase berrando. E voz aguda eh um saco. A aniversariante berrava, subia em cima das cadeiras... E os bofes também são malas. Gritam, ficam cantando hino de time e brigam. Eu não conseguia manter uma conversa decente ou uma dança na pistinha.

Enfim, é algo que realmente me deixa absolutely bored.

E por fim, peguei a minha mochila – com a minha troca de roupa – e ela estava toda ENCHARCADA. Mas agradeci com força, porque era só de cerveja. Do jeito que as pessoas estavam, podia ser qualquer outra coisa.

E vocês me perguntam: e as beeshas, não bebem?
Beeebem. Se coloooocam. Mas no mínimo, são divertidas.
Imitam divas. Fazem performances. Dublam. Andam de salto. Viram mólheres. Xavecam as amigas. Dão em cima do segurança.

Será que to ficando velho? Ou pior, to virando uma beesha velha?

2 comentários:

Giordanno disse...

ARRASOU...PENSO O MESMO.

Camila disse...

Me leva pruma festa com vc pelamoooooor de Deus?!