sexta-feira, 8 de fevereiro de 2008

choose one seat and...

Ônibus meio lotado é pior que ônibus totalmente lotado.

Quando o coletivo está vazio, pode-se escolher à vontade o lugar para sentar: janela, perto do cobrador, banco alto, fundão. Quando está lotado, existem poucas opções (geralmente uma ou duas) de assentos disponíveis. E se estiver hiperlotado fica-se onde dá para respirar (às vezes, nem isso).

Agora eu fico tenso e ansioso quando existem assentos disponíveis, mas com alguém já sentado na outra metade do banco.

Ao passar pela catraca, já vou estudando o melhor lugar para sentar. Geralmente, sento do lado do cara mais bonitinho (não sou boba!), desde que não tenha cara de bandido. E é um momento de tensão e decisão, minha gente. Porque é escolher com quem você passará alguns bons minutos da sua vida (horas, em caso de rush). E não é emocionante? E se você se senta do lado de um assaltante, um tarado, um louco ou do amor da sua vida?

Dia desses passei pela catraca e o busão estava meio lotado. Só haviam assentos já com "acompanhantes". Já era de noite e não queria ficar no fundão, correndo o risco de ser assaltado. E lá já tava dominado pelos mano. Passei pelas senhoras gordas e por outras criaturas, achando que tinha encontrado o lugar ideal: ao lado do bonitinho.

Mas quando cheguei perto, vi que o bonitinho não era tão bonitinho assim e tinha lá certa cara de marginal. E agora? Já era tarde demais para voltar (aí dá muito na vista que se está com medo). E olhei no banco da frente, um senhor de 40 e poucos anos, aparentemente pacato.

Pedi licença e sentei. E o meu pesadelo começava neste instante.

Com Whitney Houston bombando no mp3 não dava para ficar parado. Balançava discretamente as pernas quando senti um olhar fulminante. Imediatamente parei.

Abaixei o volume e fiquei na minha. Ele usava camisa de manga curta vermelho-cereja, calça social, óculos dos anos 80, cabelo ensebado...

Olhava para os lados a todo instante e falava sozinho. Balançava a cabeça, tinha um olhar medonho. Ocupava mais que o espaço necessário e carregava uma maletinha de couro. Deu medo e aflição. Não via a hora dele se levantar. Eu queria mudar de assento... quando ensaiava sair, vinha alguem e sentava. Tentei ir para perto do cobrador, mas vai que ele percebe e vem atrás ou tem um ataque de fúria ali?

Felizmente, depois de longos 25 minutos, ele pediu licença e desceu do coletivo.

O meio bonitinho? Tinha uma mochila de carregar notebook e era bem do cheiroso.

Um comentário:

Ricardo disse...

É justamente por isso que eu primeiro escolho sentar perto de senhoras. Normalmente elas são simpáticas e pacatas. Depois, eu escolho as meninas jovens. Depois me sento perto dos rapazes jovens. Dificilmente sento perto de homens adultos. A chance de ser um maluco, como já aconteceu comigo mais de uma vez, é grande!

E eu não tenho medo de mudar de lugar não! Eu levanto e mudo! Seja o motivo que for! Se a pessoa ao lado estiver fedendo, então, eu levanto e fico em pé!

MAs eu também tenho esse momento de análise, quando escolho onde vou sentar!

E tem um outro ítem muito importante! Gosto de sentar perto de magro! O espaço fica mais livre!

Hauahauhauaha1

Beijão, lindo! Saudade de falar com vc!

E... anda fazendo muito sexo de carrapato??? Hauahauaauhau
;D