domingo, 21 de junho de 2009

how can we learn to accept that we're different?


Gente, fiquei feliz com os comentários no meu último post!

Concordo com o Arsênico que a Parada virou micareta gay. Mas sempre houve fantasias e drags mega produzidas. Eu vou "fantasiado" todo ano com um tema. Já fui de escocês (figurino re-invention tour), já fui de boxeador, biscate... é um dia pra reivindicar, mas de forma leve. Giordanno, eu achava que poderia ser diferente. Que poderíamos ser ouvidos e levados a sério, agindo de uma forma mais leve e irreverente.

Concordo também com o André Mans que está cada vez mais perigoso, mas qual evento gratuito em São Paulo não é? A Virada Cultural foi infernal (relembrem aqui), shows gratuitos ao ar livre também. O que acontece? É só falta de policiamento? Acho que é falta de educação e facilidade/acesso maior ao transporte público.


Pois é, Rafa (tanta coisa), os jornais não informaram a quantidade de pessoas que se manifestaram no sábado contra a violência. Eu, infelizmente, não pude ir porque fui padrinho de um casamento.


Sexy, um amigo que estava comigo foi furtado este ano e tacaram gelo em mim. SAM, é difícil. Tentamos mostrar que somos dignos, decentes, que merecemos tratamento igual e que queremos ter direitos iguais. Mas é tão doloroso. E confesso, esta parada foi a que eu menos tive vontade de ir. Fui para acompanhar uns amigos que nunca haviam ido e também pra poder usar meu shorteenho da Madonna. Se nada dessas coisas desagradáveis tivessem acontecido, a foto para ilustrar a parada seria a minha, com esse short.

Amanhã eu volto com um post engraçadinho.


bjos

4 comentários:

Sol disse...

Eu não levanto bandeira nenhuma, nem brado por aí minhas preferências nem meus preconceitos. Mas eu acho uma tremenda ignorância, uma filhadaputice só uma pessoa sair de casa pra agredir alguém que é diferente, que pensa diferente e faz da sua vida o que quer, sem prejudicar ninguém (e pode ser qualquer diferença). Se cada um cuidasse do próprio nariz, acho que haveria paz em qualquer lugar do mundo, não acha!?

Arsênico disse...

Nhé quiridjo... Concordo... se a Parada virou baderna e todo mundo vai pra lá com essa intenção... de pegação... então porque não irmos tb néah?... Bem fez vc!...

E não adianta... enquanto existir a religião no meio condenando as diferenças... sempre haverá preconceitos...

***

umBeijo!

Syn disse...

Então ele faleceu... uma tragédia que logo vai ser esquecida pela hipocrisia e pelo preconceito da sociedade.

E há quem diga que militância é coisa de gente que não tem o que fazer... puta ignorância!

Abração Veneno!

carioca disse...

foda isso.
no mundo todo a parada tem menos gente pois é uma coisa bem feita, com policiamento, onde todo mundo se mostra. aqui é essa palhaçada.