sábado, 27 de março de 2010

Erotica


Muitas áreas demandando atenção... trabalho, família, coração, estudos...

O blog acabou ficando em 27º plano. Às vezes, não havia nada profundo ou engraçado o suficiente para colocar aqui. Outras, estava apaixonadinho demais pra escrever algo ácido. E k entre nós, se vc quer ver coisa melosa, vc assiste um filme com a Drew Barrymore, não lendo o mcqbrilha, néam?

Post longo. Vá pegar um café ou um milk shake.

Neste tempo, conheci um cara bem legal. Um que, após muitos passarem pela minha cama vida, fez meu coração bater mais rápido e mais forte. Alguém que me fez pensar mais de 13 vezes por dia, um cara com quem eu tinha vontade de fazer planos e pensar em construir algo junto.

Olhar, toque, beijo... e papo. Ideias, conceitos e valores bateram.

E, de repente, levei um fora. Decidiu voltar pro ex.

E o que eu fiz? Chorei? Sim. Mas não fiquei down muito tempo.

Resolvi me mexer.


Nesse meio tempo, eu (ainda) estou lendo a biografia da Madonna, e passei pela fase Erotica. E vi que estou nessa fase. Não, não vou sair pelado por aí (mentira), transando com todo mundo que aparece, nem quero chocar o mundo como um cara santinho que vira uma poota depois (Britneys, Christinas, Mileys, etc).

Para os mais superficiais, Erotica é o álbum mais puta da Tia, que ela foi num crescente e não conseguia mais vender discos e resolveu virar uma porra loca. Calmalá! É o primeiro disco em que ela apresenta um conceito, faz o que quer e se despe daquilo que as pessoas esperam. O ícone da beleza e da perfeição feminina, retratados em True Blue, ou no premiado e artístico Like a Prayer deram lugar à algo mais cru e profundo.

É um disco árido, seco, nu, cru. Sem nenhum sucessozinho pop à la Madonna. Tirando Rain, uma rosa no meio do deserto, o resto do disco é um soco no estômago. E é assim que me sinto. Árido, com raiva, desanimado, apaixonado. Estou me despindo das expectativas e desejos e deixando as coisas acontecerem. E Deus, como isso é difícil!



Estou desiludido com o amor. Fui magoado, rejeitado. Tive romances fracassados. Estou à beira dos trinta, sem casamento, sem filhos (?)... Com emoções complexas e nada de muito doce para dividir.

Não quero me sentir triste, mas cansei de me consolar nos braços de outros caras, bebendo, fugindo (Bad Girl)

Cansei de esperar por alguém que estava aqui e depois sumiu. Sabia que ia partir meu coração, mas não consegui me afastar antes que isso acontecesse (Waiting). Sempre me apaixono pelos caras errados...

E dei um tchau pra esses caras que não me querem (Bye Bye, Baby)

Quando pensei neste post, ainda estava com Waiting na cabeça, mas agora, as coisas já passaram, o cara já se foi...

Mas assim como ela, acho que ainda há um jardim secreto onde eu possa crescer, mesmo depois de ser pisado por botas. Sei que o sol vai me dar forças e realmente acredito em um lugar onde possa crescer uma pétala que não será rasgada, onde haverá um coração que não endurecerá, uma rosa sem espinhos e um amante sem
desprezo. (Secret Garden)

Se tiverem este disco em casa, ouçam. Vale a pena.

3 comentários:

Giordanno disse...

Querido,a vida é assim mesmo.Mas não fique triste,quanto mais o tempo passa,vamos ficando mais experientes.O que não podemos é ficar amargos,oh não!ISSO NUNCA.
Manter o bom humor,sempre!!!
No final de julho,passo por Sp,vamos ver se dessa vez a gente se vê.

Ruy disse...

Fazia tempo mesmo, mas super entendo essas pausas nos *brogs*.

Força aí. o que mãe costuma falar: o que não tem remédio, remediado está. Bjo

۞ Sol disse...

Noooossa, tô me sentindo do mesmo jeito. Só que há quase dois anos. Dá vontade de se tornar uma pessoa fria, sem sentimentos, pra que ninguém mais possa nos magoar. Mas acontece que a gente tem uma ponta de esperança vindo não sei lá de onde néam!? *suspiro